sábado, 27 de maio de 2017

Paraná: Procuradoria-Geral de Justiça investiga se MP protegeu um contador na Operação Publicano


Denúncia foi feita pelo auditor Orlando Aranda, condenado a 14 anos e três meses de prisão na primeira sentença da operação.


Procuradoria-Geral de Justiça do Paraná abriu um procedimento para investigar se Ministério Público (MP) protegeu um contador na Operação Publicano, que investiga um esquema de corrupção na Receita Estadual do Paraná. A denúncia foi feita pelo auditor Orlando Aranda, condenado a 14 anos e três meses de prisão na primeira sentença da operação. Ele recorreu e aguarda nova decisão em liberdade. Aranda estava sendo ouvido no fim da manhã desta quinta-feira (25), na sede da Fundação Escola do Ministério Público do Estado do Paraná (Fempar), em Londrina, no norte do Paraná. Ele chegou acompanhado da mulher e do advogado. Segundo o auditor, o MP teria ignorado fatos importantes nas investigações da Publicano e deixou de investigar o contador Paulo Caetano de Souza. O auditor disse também que o contador teria sido beneficiado por manter negócios com o promotor Renato de Lima Castro. O contador e promotor são sócios em empreendimentos imobiliários, conforme o cadastro da Receita Federal. Além de Aranda, também serão ouvidos o ex-auditor e principal delator da Publicano, Luiz Antônio de Souza e os promotores da operação.


O outro lado - O promotor Renato de Lima Castro confirma participação no empreendimento que tem vários investidores, mas negou privilégios ao contador. O contador Paulo Caetano de Souza negou ter intermediado propina entre auditores fiscais e empresas denunciadas na Operação Publicano. Ele também confirmou ter investimentos imobiliários em que o promotor Renato de Lima Castro tem participação e afirmou, ainda, que seu nome está sendo usado para atacar o promotor. De acordo com o contador, advogados já analisam o caso para eventuais medidas judiciais.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Minha lista de blogs

Google+ Followers