segunda-feira, 20 de março de 2017

Maldades do Temer! Reforma da Previdência entenda alguns pontos que serão modificados com a nova proposta

Luana Alves
Advogada graduada pela FRB-BA;
Pós Graduanda em Direito de Família e Sucessões – LFG;
Atuante nas áreas de Direito das FamíliasCívelConsumidor e Previdenciário.


Diante da mudança no perfil etário dos brasileiros, houve o aumento da expectativa de vida, o governo encaminhou ao Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição, a PEC 287/2016, tratando da reforma previdenciária. Alegando déficit nas finanças do INSS, o governo defende com veemência a sua necessidade para equilibrar as contas públicas.

Quem será afetado se a reforma for aprovada?
Em regra todos os trabalhadores ativos. Aqueles que têm menos 45 anos (mulher) e 50 anos (homem) estarão sujeitos as novas regras.
Para quem tem 45/50 (mulher/homem) anos ou mais será enquadrado em uma regra diferente, a regra de transição.
Os aposentados e os que já detém os requisitos para solicitar o benefício até o momento da aprovação da reforma não serão afetados, pois já possuem direito adquirido.

Qual a idade mínima?
A mudança que tem sido mais debatida é a definição de uma idade para a aposentadoria, qual seja, 65 anos, tanto para homens quanto para mulheres.
No momento atual não há uma idade mínima para que seja requerida a aposentadoria, pelas regras atuais há a possibilidade de se aposentar se estiverem completos 30 e 35 anos de contribuição, para homens e mulheres, respectivamente. No entanto, para perceber 100% do benefício seguimos a regra do 85/95(mulher/homem), que é a soma da idade com o tempo de contribuição.
Há mais uma mudança, os segurados especiais (trabalhadores rurais) também passariam a seguir a mesma regra de idade mínima estabelecida para os outros segurados, 65 anos. No momento eles têm o direito de requerer o benefício com idade reduzida.
Os Professores que fazem jus ao benefício com tempo reduzido ao contabilizar tempo em sala de aula, com a possível atualização, seguirão as mesmas regras dos demais trabalhadores.

Regras de transição
As regras de transição se aplicam a quem está mais próximo da aposentadoria, quem tem 45/50 anos ou mais (mulher/homem). No entanto, as regras diferenciadas só valerão para o tempo necessário para o requerimento da aposentadoria, quanto ao cálculo do valor do benefício, este será de acordo com o nova regra, ou seja, para ter 100% do benefício, serão necessários 49 anos de contribuição.
Os trabalhadores que estiverem nessa situação terão que completar um tempo adicional de contribuição que equivale a 50% do tempo que faltaria para chegar ao tempo de contribuição exigido. Exemplo, se falta 4 anos para um trabalhador se aposentar, com a regra de transição passará a faltar 6 anos (4 anos + 2 anos (50%) = 6 anos).
Esse adicional na contribuição também vale para professores e segurados especiais (trabalhador rural), desde que tenham mais de 45/50 anos ou mais (mulher/homem).

Quando as novas regras entrarão em vigor?
Tais mudanças somente entrarão em vigor após passarem pela análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos deputados para que seja verificada sua constitucionalidade. No plenário da Câmara a PEC deverá ser aprovada em dois turnos por pelo menos 3/5 dos deputados.
Será então encaminhada ao Senado, onde deverá passar mais uma vez pela CCJ da respectiva casa e, novamente, deverá ter aprovação de 3/5 dos senadores em dois turnos. Se o texto original for aprovado pelo Senado, a emenda é promulgada e passará a valer como lei.

Escrito por Luana Alves


Luana Alves
Advogada graduada pela FRB-BA;
Pós Graduanda em Direito de Família e Sucessões – LFG;
Atuante nas áreas de Direito das FamíliasCívelConsumidor e Previdenciário.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google+ Followers