domingo, 8 de janeiro de 2017

Popozuda! Geisy Arruda quer um namorado em 2017 e avisa: 'Ele pode até me trair'

  em 2017 e avisa: 'Ele pode até me trair'
Geisy Arruda em Grumari: ela quer tudo o que 2017 puder dar (Foto: Anderson Barros / EGO)

A modelo - que posou para o EGO na praia com maiô cavado - disse que encararia relacionamento aberto: 'Um dia quero casar, outro dia cansei do boy.'


Geisy Arruda está aproveitando o verão e esteve no Rio de Janeiro para colocar seu bronzeado em dia. Em ensaio para o EGO na Praia de Grumari, a modelo mostrou suas novas curvas - depois de investimento de R$ 200 mil em tratamentos - usando um maiô cavado, hit do verão, e falou sobre planos para 2017. A 'gata do vestido rosa' está em busca de um novo namorado e confessou que, apesar de ter algumas preferências, não tem a principal exigência de homens e mulheres: a fidelidade. "Neste ano quero arrumar um boy maravilhoso, lindo, gostoso. Tem que ser muito gente boa e não pode ser ciumento. Se ele quiser podemos até ter um relacionamento aberto. Ele pode até me trair, mas também vou trair ele", falou ela, que por enquanto só idealiza a relação na cabeça: "Mudo de ideia muito rápido, um dia quero casar e outro dia cansei do boy. Sou muito intensa com tudo." Tenho orgulho do meu corpo e não sou louca para que ele seja perfeito. Tenho que viver e não ser escrava da beleza." Geisy Arruda sobre sua curvas. Satisfeita com os tratamentos e cirurgias plásticas, Geisy, que exibiu um bumbum avantajado no ensaio, não pensa em novas mudanças no corpo neste ano. "Comecei o ano comendo um monte de panetone, de peru... (risos). Mas nada que eu não resolva quando voltar para a academia. Estou muito feliz com as transformações no meu corpo. Mexi em tudo que eu não gostava. Minhas plásticas foram muito bem pensadas e são 'queridas' pra mim. Tenho orgulho do meu corpo e não sou louca para que ele seja perfeito. Acho que temos que viver e não ser escravos da beleza", ressaltou a modelo. Sobre ter deixado São Paulo uns dias para visitar as praias cariocas, Geisy revela um desejo de passeio no Rio: "Minha vontade é acampar por aqui. Conhecer também cachoeiras, frequentar lugares que os moradores daqui vão. E também adoraria conhecer um praia de nudismo, deve ser uma liberdade imensa". Cabelo e Maquiagem: Stefanny Porfirio




Geisy Arruda no Grumari (Fotos: Anderson Barros / EGO)

Geisy Arruda mostra corpão ao tomar sol de frente e de costas

Modelo curtiu o o calor no Rio de Janeiro




Geisy Arruda posa de fio-dental na praia e ganha elogios

Modelo mostrou o corpão em foto postada em sua rede social.

Geisy Arruda lacra em foto de maiô vermelho no melhor estilo 'Baywatch'

'Que 2017 seja repleto de esperança, saúde e Amor para todos nós', escreveu ela, em post no Instagram 

Geisy Arruda posa de biquíni e exibe marquinhas de sol

Modelo compartilhou imagem em seu Instagram.


Violência não para na Bahia! Teofilândia: homem abre fogo durante confusão em festa de ‘paredão’ e deixa um morto e três feridos

Violência não para na Bahia! Teofilândia: homem abre fogo durante confusão em festa de ‘paredão’ e deixa um morto e três feridos
Nélio (esquerda) morreu, enquanto Orlando ficou gravemente ferido | Foto: Leitor do Notícias de Santaluz


Brutalidade - é nisso que dá arma de fogo


Um jovem identificado como Nélio Silva dos Santos, 22 anos, morreu e outras três pessoas ficaram feridas durante uma festa de ‘paredão’ no povoado de Alecrim, zona rural do município de Teofilândia, na madrugada deste domingo (8). De acordo com a Polícia Militar, o crime teria sido praticado por um homem que abriu fogo contra os participantes da festa durante uma briga generalizada e fugiu em seguida a bordo de um veículo Celta de cor vermelha. Segundo a PM, Nélio chegou a ser socorrido para o Hospital Municipal de Barrocas, mas não resistiu aos ferimentos. José Ayries das Mercês, 23 anos, e Everton Araújo Lima foram alvejados no braço e no pé, respectivamente, e socorridos para o Hospital Municipal de Serrinha, mas não correm risco de morte. A quarta vítima, um jovem identificado como Orlando de Jesus, que reside no estado de Santa Catarina, foi socorrido em estado grave para um hospital em Feira de Santana. Seu estado de saúde é desconhecido. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil. A PM informou que os organizadores da festa não solicitaram policiamento para o evento. Notícias de Santaluz

Bonito, Mato Grosso do Sul: quando ir, o que fazer, o que visitar

Gruta do Lago Azul pode receber no máximo 305 visitantes por dia (Foto: Anderson Viegas/G1 MS)

Região é famosa pela beleza de seus rios e cavernas. G1 apresenta roteiro com até 5 dias de atividades no destino.


Rios de águas transparentes, cachoeiras, grutas e cavernas. Fauna e flora exuberantes, com centenas de espécies de aves, mamíferos e répteis ocupando uma vegetação que mistura o Cerrado com a Mata Atlântica. Essas são algumas das atraçõe de Bonito, na região sudoeste de Mato Grosso do Sul, a 300 quilômetros de Campo Grande. Polo do ecoturismo no Brasil, Bonito recebeu em 2013 o prêmio de melhor destino de turismo responsável do mundo, o World Responsible Tourism Awards, na Feira World Travel Market, em Londres. O município conta com cerca de 40 atrativos, que possibilitam aos visitantes várias opções de atividades. Os interessados em contemplar as belezas da região podem, por exemplo, visitar as grutas e tomar banho em cachoeiras e rios de águas cristalinas.

Já os amantes da aventura podem percorrer trilhas no solo ou circuitos nas árvores (arvorismo), descer trechos dos rios fazendo flutuação ou em botes, boias (boia cross), pranchas (stand up paddle surf) ou caiaques infláveis (duck), ou ainda passear de quadriciclo, a cavalo (cavalgada) ou de bicicleta. Para os mais radicais também não faltam opções, como o rapel e os mergulhos em rios e lagoas.

Os atrativos de contemplação, de aventura e de esportes radicais são todos em propriedades particulares, com exceção da gruta do Lago Azul e do Balneário Municipal, que são administrados pela prefeitura. Eles estão localizados a distâncias que variam de 7 a 55 quilômetros da cidade e o acesso é feito por estradas não pavimentadas, mas que estão em bom estado de conservação e são bem sinalizadas. Na cidade, os visitantes podem conhecer mais sobre os peixes locais visitando o aquário, experimentar em bares e restaurantes pratos regionais feitos a partir da carne de peixe e de jacaré, entender o processo produtivo de uma aguardente que dá nome a um dos mais tradicionais bares da cidade e fazer a degustação de mais de 12 tipos de cachaça e ainda levar para casa amostras da cultura regional nas lojas de venda de artesanato espalhadas pelo centro do município.

SUGESTÃO DE ROTEIRO
Com informações da Secretaria Municipal de Turismo, Indústria e Comércio de Bonito, o G1 preparou uma sugestão de roteiro, com opções para cinco dias de atividades no município. Foram levados em conta o tipo de atrativo, o tempo de deslocamento e o perfil do passeio, se optando pelos que atendem de crianças a adultos.
Dia 1
Nada melhor para iniciar a visitação a Bonito que conhecer o cartão-postal do município. A gruta do Lago Azul é conhecida mundialmente e já foi cenário de filmes e novelas. A cavidade com as características atuais tem cerca de 60 milhões de anos. Está tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 1978. Dentro, há um lago com água cristalina, que devido à refração da luz, se torna azul. A profundidade do lago é desconhecida. O máximo já alcançado por um mergulhador foi 87 metros e dentro já foram descobertos dois fósseis de animais pré-históricos, um de uma preguiça-gigante e outro de um tigre-dente-de-sabre.
A capacidade máxima de visitantes é de 305 pessoas por dia. Está localizada a cerca de 20 quilômetros da cidade. As visitações ocorrem das 7h às 14h e demoram em média uma hora e meia entre a descida e a subida. A idade mínima para o passeio é de cinco anos e os grupos de visitantes têm, no máximo, 15 pessoas. A cada 20 minutos, um grupo inicia a visitação, que começa por uma trilha de 300 metros e depois, dentro da gruta, passa para a descida de uma escadaria com 298 degraus que termina em um deck para contemplação. O preço para a visitação é de R$ 45 na baixa temporada e de R$ 60 na alta.

Na flutuação no rio Sucuri, turista tem a sensação de estar dentro de um aquário com os peixes
(Foto: Anderson Viegas/G1 MS)

Depois da visita à gruta, que demanda uma manhã inteira entre o deslocamento para o local, a descida e o retorno, a sugestão é fazer no período da tarde um passeio de flutuação pelos rios da região. Pelo menos sete empreendimentos oferecem esse tipo de atrativo, que envolve geralmente uma pequena caminhada por trilhas antes da entrada na água para que o visitante possa conhecer, por exemplo, nascentes e a fauna e flora do local.
O turista recebe previamente equipamentos como roupa e bota de neoprene, colete salva-vidas e máscara de mergulho com snorkel, bem com um treinamento básico para “flutuar” no rio. Nesse passeio, o turista se deixa levar pela correnteza dos rios, tendo a sensação de estar dentro de um aquário. A idade mínima para o passeio é de cinco anos. Os preços variam, de acordo com o estabelecimento e a temporada (alta ou baixa), de R$ 85 a R$ 190 para o adulto.
À noite, o visitante fica livre para passear pelo centro da cidade, conhecendo a praça da Liberdade onde estão as esculturas de duas piraputangas, peixe abundante na região, que foram produzidas pelo artista plástico Cleir. O turista também pode aproveitar que os estabelecimentos comerciais, nos dias de maior movimento, ficam abertos até 22h para fazer compras e se deliciar com a culinária local.
Dia 2
O segundo dia de roteiro em Bonito tem como primeira sugestão de passeio o arvorismo, que é o deslocamento entre as copas das árvores nativas por meio de travessias em cabo de aço, madeira, corda e bambu. A altura do circuito chega a 20 metros, e os visitantes contam com toda a estrutura necessária para a atividade, como equipamentos individuais de proteção e auxílio de monitores.
O trajeto coloca o turista em contato direto com a natureza, possibilitando, inclusive, que ele aviste várias espécies de animais durante o percurso, que conta até com tirolesas. Em Bonito é oferecido por dois empreendimentos turísticos que estão a uma distância que varia de 6 a 8 quilômetros da cidade. A idade mínima para participar é de sete anos e os preços variam, conforme o empreendimento, a temporada e o período do dia (diurno ou noturno), de R$ 85 a R$ 105 para um adulto.

Atrativo oferece ao turista a oportunidade de conhecer e tomar banho nas cachoeiras do rio Mimoso, em Bonito (Foto: Anderson Viegas/G1 MS)
Depois de um dia intenso, a noite fica livre para o visitante jantar e passear pela cidade.Após o almoço, o turista pode fazer uma trilha com visitação a cachoeiras. Neste tipo de passeio, geralmente o visitante percorre um caminho por áreas de mata, passando, por exemplo, pelo leito de riachos secos, pequenas grutas, passarelas e mirantes, parando sempre nas cachoeiras, de tamanhos e formas variadas, onde em verdadeiras piscinas naturais pode se banhar nas águas cristalinas dos rios. Este tipo de atrativo demanda pelo menos um período do dia, já que somente para percorrer o percurso programado o tempo médio varia de três a quatro horas. Cinco empreendimentos oferecem esse passeio e estão localizados a distâncias que vão de 20 a 55 quilômetros da cidade. Todos oferecem almoço. Os preços variam, dependendo da temporada e do estabelecimento, de R$ 85 a R$ 196.
Dia 3
Balneário municipal é uma opções do turista para contemplar a natureza em Bonito (Foto: Divulgação/Secretaria de Turismo de Bonito)

O terceiro dia da visitação do turista a Bonito pode ser dedicado a um passeio a um dos balneários do município. Cortados por rios como o Formoso e o Sucuri, permitem a contemplação de belas paisagens e uma visão nítida de peixes de cores e tamanhos variados. Oferecem uma ampla estrutura, como restaurantes, lanchonetes, sorveterias, sanitários, quadras de vôlei, tirolesas, redários, trampolins, parques para as crianças, entre outros. Voltados para o relaxamento e descontração, merecem a dedicação de um dia inteiro na programação de visita ao município. Em Bonito são cinco opções de balneários. Não existe idade mínima para frequentá-los e crianças até 5 anos não pagam. Os valores da entrada oscilam de acordo com o estabelecimento e a temporada entre R$ 25 e 50.
Neste roteiro, o turista visita um prédio que fica dentro da área urbana da cidade, onde a bebida é preparada e são produzidas artesanalmente as embalagens caraterísticas, que têm como matéria-prima um tipo de capim abundante na região, e os copos de cerâmica desenvolvidos especialmente para consumi-la, bem como outras peças de artesanato. No fim do passeio ainda terá a oportunidade de degustar 12 tipos de bebida desenvolvidos a partir da fórmula original e modificados com a inclusão de outros ingredientes como: banana, ameixa, hortelã, pimenta, jaboticaba e café, entre outros. O passeio tem preço único de R$ 35 e termina com uma visita à loja da empresa, onde são comercializados os vários tipos dessa bebida, bem como os copos e outras peças de artesanato.Descansado durante o dia, o visitante pode optar à noite por um passeio diferente. Conhecer o sistema de produção de uma bebida que se tornou um dos símbolos do município, a Taboa. O produto, desenvolvido por uma empresária local, dá nome também a um bar no centro da cidade e é resultado de uma mistura de aguardente com mel, canela, guaraná em pó e outras ervas.
Dia 4
No penúltimo dia de visitação, o turista pode reservar uma manhã inteira para fazer um passeio a cavalo. Somente o percurso montado demora cerca de três horas, sem contar o deslocamento até os locais dos atrativos, que possibilitam a experiência de vivenciar o clima de uma fazenda sul-mato-grossense. No caminho passam por áreas de mata fechada, beirando os rios, com trilhas que possibilitam a apreciação da fauna e flora. São oferecidos por pelo menos quatro propriedades em Bonito. As distâncias até os atrativos variam de 8 a 55 quilômetros. A idade mínima para que crianças participem é de 7 anos. Abaixo, geralmente montam com os pais. Os preços variam, de acordo com o estabelecimento, de R$ 57 a R$ 60.
Passeio a cavalo está entre os atrativos que levam o turista a conhecer mais sobre a fauna e flora de Bonito (Foto: Divulgação/Secretaria de Turismo de Bonito)

Após o almoço, que pode ocorrer na mesma propriedade onde foi feita a cavalgada, o turista pode se dedicar ainda mais ao turismo de aventura, fazendo atividades como o passeio de bote, em que os visitantes percorrem na embarcação um trecho do rio Formoso, passando por quedas de água de 1,50 metro a 2 metros de altura. No trajeto, contemplam a flora e fauna da região. Ver sucuris é comum, principalmente no inverno, mas não existem relatos de ataques a seres humanos no local.
Passeio de bote pelo rio Formoso oferece ao turista a oportunidade de contemplar a fauna e flora
(Foto: Anderson Viegas/G1 MS)

Depois de várias atividades, a noite ficaria livre novamente para o visitante jantar e passear pela cidade.O passeio é oferecido por pelo menos dois estabelecimentos, que ficam a aproximadamente 13 quilômetros da cidade. Em um deles, os visitantes podem optar por variações com passeios individuais, também descendo segmentos do rio em boias (boia cross), em canoas infláveis (duck) e em pranchas de surf (stand up paddle surf). Os preços variam de R$ 50 a R$ 99 e os passeios são recomendados somente para crianças maiores de 5 anos.
Dia 5
No último dia da programação, o visitante tem como sugestão de atividade em Bonito o passeio de bicicleta por trilhas. O bike tour envolve o percurso de trajetos que variam de 7,3 a 14 quilômetros, demandando de duas a três horas para percorrê-los. O agradável passeio por estradas e matas possibilita a observação de vários animais silvestres como macacos, queixadas, quatis, tucanos, araras, seriemas, capivaras, veados e outros, além de árvores da região, e conta ainda com paradas para que os visitantes se refresquem em cachoeiras. Um dos passeios sai do centro da cidade e o outro de uma propriedade rural a 18 quilômetros da área urbana do município. A idade mínima para participar é 10 anos em um dos estabelecimentos e 12 no outro. Os preços variam de R$ 57 a R$ 98.
Após o passeio de bicicleta, o turista pode dedicar seu último período em Bonito à compra de presentes e lembranças para familiares e amigos. Os locais mais indicados são os estabelecimentos na rua Coronel Pilád Rebuá, no centro da cidade. São dezenas de lojas espalhadas pela via. Nesses estabelecimentos, o visitante pode encontrar desde imãs de geladeira com figuras de animais típicos da região a R$ 2, passando por camisetas que tem preço mínimo de R$ 12 até chegar a peças de artesanato que podem passar dos R$ 100.
Produtos de artesanato são as principais opções de presente e lembrancinhas para os visitantes de Bonito (Foto: Anderson Viegas/G1 MS)

Voucher para atrativos
Dicas do G1

Uma dica importante para o turista que pretende ir a Bonito é planejar com antecedência a viagem e para um período de baixa temporada, quando pagará preços mais em conta, até 25% menores na aquisição de produtos e serviços. Outro ponto é que, no município, o repelente e o protetor solar são companhias indispensáveis, principalmente nos atrativos que são visitados em áreas rurais.
A visitação aos atrativos ocorre por meio da aquisição, somente nas agências de turismo, do chamado voucher, que é o passaporte para os passeios. Por meio dele é remunerada toda a cadeia produtiva do turismo no município, desde os guias até os empresários, e também é assegurado que será respeitado o limite de visitações.
O preço do voucher varia de R$ 25, entrada para o Balneário Municipal (baixa temporada), a R$ 891, para o mergulho no Abismo Anhumas (independente de ser alta ou baixa temporada). A secretária de Turismo, Indústria e Comércio de Bonito, Juliane Ferreira Salvadori, explica que esses preços se justificam porque representam todo o valor agregado aos produtos turísticos para oferecer o melhor atendimento ao turista.
“Não é um valor alto, precisamos desmistificar que o turismo em Bonito é caro. Aí está incluída a questão da segurança dos visitantes, o seguro deles, o investimento do empreendedor na infraestrutura física e nos equipamentos para atender o turista, tanto que todos têm licenciamento ambiental, além da preparação dos guias e ainda o aspecto da exploração de modo sustentável da atividade. Todos os atrativos têm capacidade limitada de visitantes, porque o nosso meio ambiente, as nossas nascentes são muito frágeis. Em cada passeio, os grupos são pequenos para que o visitante tenha a melhor experiência e a melhor qualidade de atendimento”, diz a secretária.
Na baixa temporada, que ocorre fora do período de fim de ano, dos feriados nacionais e das férias escolares do meio do ano, o fluxo de turistas cai e com ele são reduzidos em média entre 20% e 25% os preços de praticamente toda a cadeia ligada ao turismo, de bares e restaurantes, passando a estádia de hotéis e chegando ao voucher dos atrativos.
Com uma cadeia turística que conta com 84 hotéis e pousadas, que juntos oferecem 5.699 leitos e empregam, segundo estimativa da prefeitura, direta e indiretamente, metade da população do município que é de aproximadamente 20 mil pessoas, Bonito recebeu somente em 2014, também conforme a administração municipal, 477 mil visitantes.
O número de turistas vem crescendo anualmente em média de 4% a 5%, mas o município tem investido na diversificação de atividades para tentar atrair ainda mais visitantes. Uma das ferramentas é a realização de eventos culturais.

“Pesquisamos pela internet. Ficamos encantados com as belezas da cidade e decidimos vir. No dia seguinte do casamento pegamos um avião de Manaus para São Paulo, foram três horas e meia de voo. Depois de duas horas no aeroporto, embarcamos em um voo de São Paulo para Campo Grande e foi mais uma hora e meia de viagem. Por fim, alugamos um carro e vim dirigindo para Bonito. Foram mais três horas de viagem. Estamos super cansados, mas está valendo muito a pena. É tudo muito bonito mesmo”, disse Guilherme ao G1, pouco antes de fazer a visitação da Gruta do Lago Azul.

Encantamento


Independente de projetos futuros, o estágio atual de desenvolvimento da atividade turística em Bonito atrai visitantes de vários estados e países, interessados em conhecer principalmente as belezas naturais do município. Uma prova disso são os recém-casados Guilherme Sousa, de 31 anos, e Ellen Souza, de 30 anos. Eles moram em Manaus e logo após a cerimônia de casamento viajaram para Bonito para passar a lua de mel.
“Os atrativos são muito bonitos, realmente justificam o nome da cidade. Além disso, são todos muito bem estruturados e os guias são muito preparados”, comentou, completando que a família decidiu conhecer a cidade depois de receber a recomendação de amigos que já tinham a visitado.Outro visitante que elogiou a cidade foi o funcionário público Luiz Eduardo Casolaro, de São Paulo, que estava visitando a cidade com a esposa, Ana Maria Casolaro, e os filhos Ana Beatriz, de 13 anos, e João, de 8 anos. Pouco antes de fazer a flutuação do rio Sucuri ele destacou a infraestrutura de atendimento aos visitantes. Fonte G1

Apóstolo Valdemiro Santiago Líder da Igreja Mundial do Poder de Deus leva facada durante culto em SP

  leva facada durante culto em SP
Apóstolo Valdemiro Santiago postou vídeo sobre ataque em culto (Foto: Reprodução)

Apóstolo  levou uma facada no pescoço e postou vídeo no hospital; Polícia Civil confirma que homem foi preso em flagrante com facão.


O apóstolo Valdemiro Santiago, líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, levou uma uma facada no pescoço durante um culto por volta das 8h deste domingo (8) em um templo da igreja no Brás, centro de São Paulo. Ele postou um vídeo nas redes sociais, direto do hospital, contando o que ocorreu. O homem que o atacou foi preso em flagrante, segundo informações do 8º Distrito Policial (Brás), com um facão. O homem, que está desempregado, disse que teve uma discussão com o pastor há algumas semanas. “Eu estava impondo as mãos, acabando de ouvir um milagre, um testemunho, e entrou alguém por trás, não sei, não vi quem era, e deu uma facada no pescoço, ou uma navalha, não sei”, explicou o pastor em vídeo. O apóstolo afirmou que voltará a pregar. “Orem por mim”, pediu Valdemiro. “Eu perdoo a pessoa que fez isso”, afirmou.

Veja o vídeo:

Violência na Bahia: Homem natural de Jacobina é assassinado em rinha de galo em Várzea do Poço

  rinha de galo em Várzea do Poço
Violência na Bahia: Homem natural de Jacobina é assassinado em rinha de galo em Várzea do Poço

Brutalidade


Um homem natural de Jacobina foi assassinado no início da noite deste sábado, 7, no município de Várzea do Poço. Segundo informações de um morador, o crime teria ocorrido em uma rinha de galo próximo ao povoado de Lagoa da Roça, em Várzea do Poço. A vítima foi identificada como Roberto Carlos Junior, conhecido como Fofinho. Ele teria sido baleado nas costas e foi socorrido para o Hospital Municipal Rivorge Goncalves Lima, mas não resistiu ao ferimento e morreu pouco depois. O morador contou ainda, ao JN, que o crime teria ocorrido após uma discussão, porém a motivação ainda é desconhecida. Não há informações sobre a autoria do crime. Fonte: Jacobina Notícias


Grana fácil! Governo pagou R$ 2,4 bilhões a alvos da Lava Jato de 2014 para cá

  R$ 2,4 bilhões a alvos da Lava Jato de 2014 para cá
Grana fácil! Governo pagou R$ 2,4 bilhões a alvos da Lava Jato de 2014 para cá

Quebraram o país!

Alvo da Operação Lava Jato desde o fim de 2014, as principais empreiteiras investigadas pela força-tarefa receberam cerca de R$ 2,4 bilhões do governo federal nos últimos dois anos, segundo levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo no Portal da Transparência. O valor inclui repasses a obras que estão na mira da Polícia Federal e do Ministério Público Federal por suspeita de superfaturamento, fraude contratual e corrupção, entre outras irregularidades. Desse total, R$ 752 milhões foram pagos à Odebrecht e R$ 101 milhões à Camargo Corrêa, as duas que até o momento fecharam acordos de leniência com o poder público. Ao assinar a leniência, as empresas reconhecem crimes e pagam multas com o objetivo de preservar a autorização de contratar com a administração pública. As outras empresas investigadas por integrar o cartel na Petrobrás ainda negociam acordos como o firmado no mês passado pela Odebrecht. A empreiteira, com a Braskem - seu braço petroquímico -, se comprometeu a pagar indenização de R$ 5,3 bilhões no Brasil. Os pagamentos do governo às empresas, no entanto, vêm caindo desde 2014, quando a Lava Jato foi deflagrada. A operação começou em março daquele ano, mas só chegou às empreiteiras em novembro. Em 2014, as construtoras receberam R$ 3,4 bilhões. Em 2015, a cifra caiu para R$ 1,4 bilhão. No ano passado, foi R$ 1 bilhão. A queda se deve não só ao escândalo de corrupção, que inibiu a celebração de novos contratos públicos com as empresas, mas também à recessão econômica, que fez encolher os investimentos do governo em infraestrutura. Outro motivo é que algumas das empreiteiras investigadas, mergulhadas em aguda crise financeira, não têm conseguido tocar empreendimentos pactuados com o governo com a mesma velocidade e, por isso, vêm recebendo menos. O levantamento da reportagem foi feito com base em dados disponíveis até sexta-feira passada. O site mostra apenas os valores pagos pela administração direta, o que inclui os ministérios e as autarquias de maior orçamento, entre elas o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Os pagamentos da Petrobrás e demais estatais, no entanto, não são lançados no sistema. Entre as empresas investigadas a que foi irrigada com maior quantidade de recursos no ano passado foi a Construtora Norberto Odebrecht – um dos braços do Grupo Odebrecht. Em 2016, a construtora recebeu R$ 483 milhões. Todo o montante foi destinado a obras vinculadas à montagem do estaleiro e da base naval para construção de submarinos convencionais e de propulsão nuclear. Conforme o jornal O Estado de S. Paulo revelou, a Odebrecht citou o Programa de Desenvolvimento de Submarino (Prosub) em seu acordo de leniência. Foram realizados ao menos dois pagamentos "não oficiais" no exterior por meio do Setor de Operações Estruturadas, conhecido como o departamento da propina da empresa. Depois da Odebrecht, as empreiteiras mais contempladas foram a Queiroz Galvão (R$ 234 milhões) e a Mendes Júnior (R$ 146 milhões). Nos dois casos, a maior parte dos recursos vem de projetos rodoviários e de irrigação, principalmente a Transposição do São Francisco. Em dezembro, o governo rescindiu o contrato com a Mendes Júnior na transposição, depois de um aval do Tribunal de Contas da União (TCU), porque a empreiteira não estava conseguindo executar o serviço. Os pagamentos feitos em 2016 são, principalmente, por contratos celebrados antes de as empreiteiras se enrolarem na teia da Lava Jato. Entre as empresas de grande porte somente a Mendes Júnior está proibida de fechar novos negócios com a administração federal. Além de multada, a empreiteira mineira foi declarada inidônea. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Gostosa! Pérola Faria mostra gominhos no abdômen durante stand up paddle

  abdômen durante stand up paddle
Gostosa! Pérola Faria mostra gominhos no abdômen durante stand up paddle

Atriz de 25 anos publicou foto em seu Instagram e recebeu elogios de seus seguidores: 'Um corpo é um corpo'.


Aos 25 anos, Pérola Faria está com um corpão de causar inveja. A atriz publicou em seu Instagram neste sábado, 7, algumas fotos em que aparece fazendo stand up paddle no Rio, exibindo seu abdômen sarado, cheio de gominhos. "Explorando as belezas do nosso mar nas Ilhas Tijucas", contou Pérola. Os seguidores da atriz a encheram de elogios. "Um corpo é um corpo", disse um. "Belíssima", escreveu outro. "Lindas fotos", comentou mais um.

Pérola Faria se diverte na praia e exibe boa forma

Atriz publicou clique em seu perfil do Instagram e arrancou elogios até das gêmeas Bia e Branca Feres na rede social.

Pérola Faria posa sensual com lingerie rendada para projeto

A atriz fotografou sem maquiagem para um ensaio sem retoques assinado por Bruno Brin.





Pérola Faria (Fotos: Bruno Brin / Instagram / Reprodução)

Crime Organizado: Mapa das facções nos presídios brasileiros

Conflitos violentos envolvendo grupos criminosos podem contaminar outros estados

As facções criminosas Primeiro Comando da Capital (PCC) e Comando Vermelho (CV) disputam o domínio do tráfico de drogas nas fronteiras do país. Por isso, estão em guerra e buscam aliados do crime em todos os Estados. Na última semana, mais de 90 presos foram brutalmente assassinados em massacres ocorridos em penitenciárias do Amazonas e de Roraima. No total, segundo autoridades que investigam o crime organizado, pelo menos mais 25 facções criminosas participam dessa disputa, apoiando o PCC ou o CV. Enquanto a facção paulista, após matar o narcotraficante Jorge Rafaat - que era o grande intermediário entre traficantes paraguaios e brasileiros -, em junho de 2016, passou a dominar o tráfico de drogas e de armas na fronteira com o Paraguai, o CV, via Família do Norte (FDN), controla o tráfico na fronteira com o Peru, no caminho conhecido como Rota Solimões. Segundo delegados e promotores, os grupos criminosos querem o controle das duas fronteiras. De acordo com o procurador de Justiça Marcio Sérgio Christino, especialista em investigações sobre o crime organizado, PCC e CV firmaram aliança no final dos anos 1990. Naquela época, a facção paulista começou a vender drogas no Rio por "atacado" e, ao mesmo tempo, passou a investir o dinheiro do crime na expansão de atividades em outros Estados, formando parcerias com grupos locais. "Percebemos que o PCC dava aos bandidos locais a estrutura e noção de organização que eles não tinham. Por isso, acabou ganhando inúmeros simpatizantes em vários Estados. Isso fez a facção crescer e se expandir. Enquanto o CV consolidou o domínio na maioria dos morros do Rio, principais mercados de consumo de drogas no país", diz Christino. Com um exército de 10 mil homens - 7 mil nos presídios e 3 mil nas ruas -, o PCC se tornou a principal facção criminosa do Brasil e movimenta, segundo o Ministério Público Estadual (MPE), 40 toneladas de cocaína e R$ 200 milhões por ano. Esse comportamento, porém, trouxe inimigos dentro do crime, que são facções menores concentradas principalmente no Norte e Nordeste. "Os bandidos rivais de São Paulo estão em facções menores que não fazem diferença no cenário da criminalidade do Estado", afirma Christino. Para o procurador, com a morte de Rafaat, que foi assassinado com tiros de metralhadora calibre .50 (capaz de derrubar um helicóptero), o Comando Vermelho acabou virando dependente do PCC no tráfico na fronteira com o Paraguai. "A partir desse momento, a aliança foi rompida. E as consequências estão aparecendo, que são os massacres nos presídios", afirma o procurador. Para o promotor Lincoln Gakiya, do Grupo de Atuação Especial de Combate e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), o CV percebeu a necessidade de fazer alianças com outros grupos criminosos para enfrentar o PCC. O grupo do Rio então se aliou à FDN, facção que comanda o crime no Amazonas e domina a cobiçada Rota Solimões, e determinou a morte de membros do PCC em cadeias do Norte. O CV também fez aliados em outros Estados do Norte e Nordeste. Em contrapartida, a facção paulista ganhou mais força nas regiões Sul e Sudeste do País, principalmente no Paraná e Mato Grosso, o que consolidou o domínio na fronteira com o Paraguai.

Crime Organizado: Mapa das facções nos presídios brasileiros
Fonte: O Globo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google+ Followers