segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

DJ Jorgin de 'Deu onda' explica produção do funk de hits que sustentam família

  gravou 'Deu onda' e outros hits do funk de SP (
DJ Jorgin no estúdio que montou em sua casa, em que gravou 'Deu onda' e outros hits do funk de SP (Foto: Rodrigo Ortega / G1)

Como nasce um funk? DJ Jorgin aprendeu sozinho a produzir após ganhar 1º computador aos 15 anos do pai, que era pedreiro. Aos 22, emprega a mãe, ex-faxineira, e fez 2 das 4 músicas mais tocadas no Brasil hoje.


Quem passa pela casa cinza, de portão enferrujado e janela coberta por pedaços de madeira, na Ponte Rasa, Zona Leste de São Paulo, não imagina o que ela tem a ver com o clima praiano de “Deu onda”. Mas a faixa que há um mês é a mais tocada do Brasil nasceu lá. É a casa de Jorge Lemes Ferreira, 22 anos, o DJ Jorgin. Veja vídeos acima e abaixo. Além da voz do cantor e compositor G15, gravada ali, não há instrumento real. Foi tudo produzido por Jorgin no computador, que ocupa parte do estúdio de 12 metros quadrados, logo atrás da janela da fachada. Um monitor extra, duas caixas de som, um sofá e uma cabine de voz completam o cômodo apertado que ele suou para montar. Jorgin ganhou seu primeiro computador aos 15 anos. O pai, pedreiro, conseguiu uma boa obra e comprou o PC para tirar o menino de lan-houses. “Sempre fui curioso. Fui fuçar vídeos de DJs, pesquisar”, conta. A mãe, empregada doméstica, não conseguia pagar aulas de música ou de produção. Ele decifrava programas de edição musical “na raça”.


Depois, correu atrás dos MCs na Ponte Rasa. Jorgin lembra que o funk já dominava as “quebradas” de SP e novos cantores despontavam. Mas o adolescente era tímido demais para o palco. “Levava mais jeito para isso”, diz, apontando o computador. Um amigo da escola, MC Lukinhas, topou a parceria, recomendou a outros cantores e o nome de Jorgin se espalhou. “Deu onda” não é o primeiro e nem o maior sucesso na cena funk de SP produzido por Jorgin. No final de 2014 ele deu forma a “Os mlk é liso”, de MC Rodolfinho. A faixa ainda tem cara do funk ostentação: ironicamente, produções pobres, quase sempre só com batida e voz. A onda seguinte do funk mudou o cenário. O chamado “funk putaria” subiu o nível (outra ironia), com arranjos mais elaborados.

Jorgin, que não é de se gabar, atribui ao colega DJ Perera, da Zona Norte, essa mudança de paradigma nos arranjos, incluindo mais melodia nas apimentadas letras dos novos MCs. A produção ficou mais difícil. Depois de descobrir sozinho como fazer as batidas, o jovem que nunca aprendeu teoria musical teve que se virar com as linhas melódicas. Ele conseguiu de novo: nos últimos 12 meses, emplacou várias músicas com mais de 50 milhões de views no YouTube: “Roça roça 2”, do MC Brinquedo, “4M no toque”, dos MC Pedrin e Hariel, “O verão está chegando”, do MC Davi e “Tumbalatum”, de MC Kevinho (seu recorde de audiência, com 135 milhões de visualizações). Mas foi “Deu onda” que, além dos bailes, rompeu a barreira do funk e alcançou sucesso nacional. Foi em novembro de 2016 que o MC G15 visitou a casa/estúdio de Jorgin. “Ele deixou o vocal de três músicas aqui. Escolhi uma, porque tinha cara de praia, de final de ano. As músicas anteriores dele tinham uma levada mais ‘reta’, mais ‘favela’, ‘funkzão’ de rua, define. E por essa ser mais romântica, pensei em fazer um toquezinho mais leve, mais ‘gingadinho’”, explica o DJ.

DJ Jorgin (Foto: Rodrigo Ortega / G1)



Desde dezembro o riff inicial não sai da cabeça de metade do país. Muita gente acha que é tocado numa escaleta ou teclado comum, mas veio do computador, por um programa que reproduz a melodia vocal – o estúdio não tem instrumentos musicais, apesar de Jorgin desejar um teclado. Para dar mais “peso” à introdução, acabou adicionando uma nota fora da escala. A nota deslocada foi notada em um vídeo que analisa “Deu onda”, do músico Pedro Serapicos. Ele aponta o “politonalismo” em tom de elogio e até compara à música erudita, mas Jorgin explica: foi sem querer mesmo. “Só fui perceber quando vi gente criticando”, diz. Ele fica mais inquieto na cadeira ao falar do assunto e não percebe o vídeo de Pedro como positivo, mas acaba concluindo que foi um “errado que deu certo” e que a versão corrigida “não teria graça”.



'Olha a explosão' em 4º lugar 

Comprar instrumentos para o estúdio e fazer aulas de teoria musical são planos dele. Mesmo após virar referência no funk, emplacar um hit nacional e já ameaçar o segundo (“Olha a explosão”, de MC Kevinho, já é a 4ª mais ouvida em streaming no país), ele não fala como produtor do sucesso. O DJ lembra que nas duas vezes em que entrou num grande estúdio, ficou olhando tudo e tirou o máximo de informação dali.

Em outros momentos, ele explica que a mixagem da música pop não funciona no funk (os graves e agudos suavizados tiram o poder que os sons de carros nos bailes de rua). Também conta como as letras ‘light’ dos funks que acabam chegando nos grandes estúdios costumam tirar, não aumentar, a base de fãs dos MCs em SP (eles passam a ser vistos como menos autênticos e divertidos). Fala naturalmente, e parece não se dar conta de que, além de aprender, tem bastante a ensinar.

Até R$ 3 mil por faixa 

Antes de continuar a incrementar o estúdio, Jorgin terminou de pagar outra reforma na casa. O muro dos fundos estava prestes a cair no córrego sujo que passa rente à casa. A maratona de vinte músicas produzidas no fim do ano, cobrando, segundo ele, até R$ 3 mil por faixa, ajudou Jorgin e família. O pai não trabalha mais como pedreiro, mas segue “fazendo bicos”, diz o filho. Na despedida, na porta de casa, encontramos a mãe de Jorgin, Ivani, que deixou de ser faxineira e virou recepcionista do estúdio. “Toda vez que ela ia trabalhar voltava sempre com dor, cansada. Isso me incomodava desde pequeno”, diz o filho, que vai mudando aos poucos a situação da família, ao emplacar duas das quatro músicas mais tocadas no país. Ivani agradece à reportagem por “dar um espaço para o filho rebater as críticas”. Surpreso, respondo a ela que a visita era para saber como o menino chegou tão longe, e não falar de críticas. Ela sorri e se despede. O produtor de maior sucesso neste momento na música brasileira abraça a mãe, fecha o portão enferrujado e volta para dentro de casa.

DJ Jorgin e a mãe na casa onde montou seu estúdio na Zona Leste de SP (Foto: Rodrigo Ortega / G1)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google+ Followers