domingo, 18 de dezembro de 2016

Revoltante! MPs aprovadas após atuação da Odebrecht resultaram em R$ 140 bi em renúncia fiscal

 R$ 140 bi em renúncia fiscal
Empreiteira pagava a deputados e senadores | Foto: Beto Barata / Agência Senado

Quando os culpados corruptos serão punidos?

As medidas provisórias aprovadas após pagamentos de propina a deputados e senadores pela Odebrecht beneficiaram o grupo e outras companhias com cerca de R$ 140 bilhões em descontos em impostos e outros benefícios. Segundo informações do portal UOL, o ex-diretor da empreiteira Cláudio Melo Filho menciona 4 MPs que sofreram atuação da empresa além de 20 políticos envolvidos no processo, incluindo a cúpula do PMDB. Os valores foram calculados pelo UOL a partir de dados da Receita Federal, estimativas de renúncias fiscais enviadas ao Congresso e correção monetária com base na inflação oficial (IPCA). O valor total supera o orçamento anual do Ministério da Saúde, que em 2017, deve alcançar R$ 115,4 bilhões. De sete notas na qual a Odebrecht interferiu entre 2005 e 2014, de acordo com o relato de Melo Filho, quatro ainda estão vigentes: MP 449/08, MP 472/09, MP 563/2012, MP 651/2014. Segundo o Ministério da Fazenda, "há investigação em andamento, conduzida pelas autoridades competentes e o ministério vai atuar, de acordo com o que determina a lei, para o esclarecimento de fatos e identificação das pessoas responsáveis por eventuais irregularidades apontadas". No caso da MP 563/2012, editada pela então presidente Dilma Rousseff (PT), foram oficializados descontos em impostos e vantagens para empresas exportadoras anunciados na segunda fase do Plano Brasil Maior, que tinha como foco o fortalecimento da indústria com desonerações e financiamentos. Com essa medida, a renúncia foi de R$ 41,2 bilhões (valor corrigido). O benefício só foi à frente após ação da Odebrecht, segundo Melo Filho. A empresa acionou o senador Romero Jucá (PMDB-RR) para que ele agisse pela aprovação de uma emenda favorável a empresa incluída na MP. "Solicitei ao senador Romero Jucá, como sempre, seu empenho na defesa desse pleito, incorporando a emenda como uma das inovações do texto, sustentando e garantindo a sua aprovação pelo Congresso Nacional", descreveu Melo Filho. "É certo que o empenho do senador Romero Jucá sustentava-se no fato de que receberia pagamento a título de suposta contribuição de campanha durante o período eleitoral”. Procurado pelo UOL, Jucá informou que apenas recebeu demandas relacionadas a MPs de setores da economia, do governo e de outros segmentos quando foi líder do governo ou relator de propostas. O congressista disse ainda que somente leva as requisições adiante, na forma de emendas, se aprovado pela equipe econômica, pois, se não há aprovação dos governos, as mesmas são vetadas".
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Minha lista de blogs

Google+ Followers