quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Governo do PMDB sem punição de erros: Algoz de Dilma, Janaína Paschoal critica Temer por manter Geddel no governo após denúncias

 Temer por manter Geddel no governo após denúncias
Foto: Jefferson Rudy / Agência Senado

O ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima nega


Uma das autoras do processo que culminou no impeachment da presidente Dilma Rousseff, a jurista Janaína Paschoal fez críticas contundentes ao presidente Michel Temer nesta terça-feira (22). Em postagens no seu perfil no Twitter, Janaína reprovou a decisão do peemedebista de manter no governo o ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima (veja aqui), mesmo após acusações de tráfico de influência feitas pelo ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero. Em um dos tweets, a jurista comparou Temer e Dilma ao dizer que o atual presidente pretende passar a “mão na cabeça de quem precisa ser afastado”, assim como “sua antecessora”. “Sei que o Presidente Michel Temer já manifestou que não pretende afastar pessoas com base, apenas, em alegações. Dilma também dizia isso. Não adianta o governante se apegar ao princípio da presunção de inocência. Esse princípio vale para processo penal, não para gestão pública”, afirmou. Ainda segundo ela, diante de denúncias, o presidente da República tem “o dever de tomar providências”, “por mais que goste e confie em determinadas pessoas”. “Para conduzir o Brasil, um verdadeiro líder precisa ter a sensibilidade de notar que o país mudou”, finalizou. Em entrevista à Folha de S. Paulo no último sábado (19), Calero creditou sua saída do Ministério da Cultura a pressões feitas por Geddel para interceder junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) pela liberação das obras do empreendimento de alto luxo La Vue, na Ladeira da Barra, em Salvador.

Foto: Max Haack / Ag. Haack / Bahia Notícias

Oposição pede em comissão afastamento ‘imediato’ de Geddel


A oposição ao governo Michel Temer vai protocolar nesta terça-feira (22), na Comissão de Ética da Presidência da República, uma petição em que recomenda ao órgão o afastamento imediato do ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima. Na segunda (21), o colegiado já havia autorizado abertura de processo para investigar a conduta do ministro, acusado pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de fazer pressões pela liberação do empreendimento imobiliário de luxo La Vue, em Salvador, no qual tem contrato de compra e venda de apartamento. Em entrevista ao Bahia Notícias, o deputado federal Jorge Solla (PT-BA) afirmou que o documento, assinado por parlamentares do PT e PCdoB, pede a saída de Geddel do cargo por usar sua posição de forma “ilegal”. “Há depoimentos contundentes do ex-ministro [Marcelo] Calero referindo-se à situação de coação, ameaça que ele passou por iniciativa do ministro Geddel. É um absurdo que mantenha o ministro Geddel no cargo. Ele usou o cargo de forma ilícita, em uma atitude patrimonialista, incompatível com o cargo de ministro”, bradou. Para o deputado federal Daniel Almeida (PCdoB-BA), é “estranha” a decisão do presidente Michel Temer de manter Geddel no cargo, mesmo após as acusações de Calero. Vale lembrar que o ministro assumiu ter conversado com o ex-titular da Cultura sobre a liberação do empreendimento. “Está caracterizado que ele [Geddel] não usou de isenção, imparcialidade e transparência, requisitos fundamentais exigidos para um ministro de governo. Estranho é o presidente, diante de fatos evidentes, considerar que não há razões suficientes para afastamento. Isso joga por terra os argumentos que o governo vem anunciando de que não tem conivência com maus feitos”, criticou. Segundo reportagem do Estadão, a petição pede também que a comissão realize diligências, como oitiva de Marcelo Calero e da presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Kátia Bogéa.



A polêmica envolvendo o ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima, alvo de acusações de tráfico de influência feitas pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero, continua tendo ressonância no meio político e também em Salvador, que concentra o epicentro da crise instalada em Brasília após as revelações do demissionário titular da pasta: o edifício de luxo La Vue. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo no último sábado (19), Calero afirmou ter pedido a saída do cargo após sofrer pressões de Geddel para liberar as obras do empreendimento, embargadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Após as denúncias, um grupo de ativistas baianos marcou para a próxima sexta-feira (25), às 15h, no local das obras do La Vue, na Ladeira da Barra, um protesto pela demissão do ministro por “conduta inadequada” e contra a “destruição do patrimônio histórico, arquitetônico e afetivo de Salvador”. “Pretendemos denunciar também a conivência do prefeito ACM Neto - de quem o senhor Geddel é aliado - do Iphan da Bahia, da Sucom e do Ipac com o processo de desconfiguração total da cidade, em nome de um projeto urbano elitista e racista. O La Vue é apenas a ponta do iceberg da destruição e da segregação”, afirmou o coletivo Subverso, um dos organizadores do movimento, ao Bahia Notícias. O ato faz parte de uma série de manifestações que acontecerão na sexta, em Salvador, contra a PEC 55, que cria um teto para os gastos públicos nos próximos 20 anos, e a reforma da Previdência Social. “Um ministro de estado sair de seus cuidados para pressionar um órgão que trabalha na preservação do patrimônio a mudar parâmetros técnicos para permitir a construção de um espigão já seria um absurdo. Porém, quando um ministro faz isso advogando em causa própria, pois proprietário de um luxuoso apartamento no referido e ilegal empreendimento, isso já ultrapassa o escárnio. E o escárnio se mistura com desdém quando o presidente da república, mesmo sendo um ilegítimo, diz que vai esperar a repercussão para tomar providências”, diz a organização do protesto em evento criado no Facebook.


Renan Calheiros defende Geddel e diz que polêmica do La Vue é um 'fato superado'


O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), defendeu o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, das acusações relacionadas à construção do edifício La Vue. "Fato superado", resumiu o senador em declaração feita nesta terça-feira (22). De acordo com a Folha de S. Paulo, ele avaliou que o caso não deve ocupar a pauta da Casa. "É bom que isso fique para trás e que a convergência seja novamente construída", afirmou. Geddel é acusado de pressionar o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, para o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) liberar o projeto de construção do La Vue, localizado em uma região da Barra com monumentos tombados. Nesta segunda-feira (21), a Comissão de Ética da Presidência da República abriu processo para investigar a conduta do ministro.

Gilmar quer investigar na CMS alvará de construção concedido pela Sucom ao La Vue


O vereador Gilmar Santiago (PT) quer criar uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar o alvará de construção concedido pela Secretaria Municipal de Urbanismo (Sucom) ao La Vue. O petista também defende a realização de uma audiência pública na Comissão de Planejamento Urbano. "(...) A instalação da CEI se justifica diante da grande repercussão nacional, a partir da denúncia do ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, de que o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, o pressionou para liberar um empreendimento que tem parecer contrário da Presidência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional", justificou o vereador. Gilmar acredita que é preciso investigar se a Sucom ignorou pareceres técnicos do Escritório Técnico de Licenças e Fiscalização (Etelf), conforme denúncias da Associação de Moradores da Barra(Ambarra) e do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) seção Bahia.

BOECHAT COMENTA: LEANDRO KARNAL, EU SERIA FELIZ SE APENAS UM PARTIDO NO BRASIL FOSSE CORRUPTO



Geddel chora em reunião de líderes ao se defender de denúncias


Ao receber apoio dos líderes dos partidos da base aliada na Câmara, em reunião no Palácio do Planalto, o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, se emocionou e chorou. Ele dava explicações aos deputados sobre as acusações feitas pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de que fez tráfico de influência para tentar conseguir liberar um empreendimento em Salvador, onde comprou um apartamento na planta. Geddel, depois de ouvir desagravo público dos líderes a seu favor, agradeceu o apoio de todos e contou que "herdou de seu pai", o ex-deputado Afrísio Vieira Lima, "este jeito despachado que tem". O ministro Geddel está sendo investigado pela Comissão de Ética Pública da Presidência e não quer mais falar sobre o tema alegando que "esse assunto está encerrado". "Peço que me respeitem", declarou, ao voltar de uma reunião com o presidente Michel Temer, para a qual foi convocado, interrompendo o encontro com os líderes, por causa de uma manifestação de índios que ocorria em frente ao Palácio do Planalto. O líder do DEM, deputado Pauderney Avelino (AM), ao relatar a emoção do ministro lembrou "que este é o jeito dele". "Ele é assim mesmo. Ele chora e chorou ao falar do pai (que morreu no início do ano)", comentou o deputado. O líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), ao sair da reunião, avisou que um documento a favor de Geddel está pronto e será entregue a ele por todos, em ato solene, no Planalto nesta terça-feira (22) à tarde. Ele explicou que a carta somente não foi entregue ainda porque aguarda as últimas assinaturas de parlamentares que não tinham chegado à capital federal. "Vamos entregar o manifesto pessoalmente esta tarde, em bloco", avisou. Pauderney reconheceu que o comportamento de Geddel "não foi adequado", mas minimizou dizendo que "temos problemas enormes no país para resolver". O parlamentar amazonense disse ainda que Geddel deu explicações e todos entenderam. Para ele, houve uma "interpretação de forma equivocada" por Calero. Pauderney afirmou ainda que conversou com o prefeito de Salvador, ACM Neto, sobre o assunto e este lhe assegurou que "não há nenhum problema com o empreendimento".

Pede pra sair, Geddel! | Olá, pessoal!

  


Temer precisa demitir Geddel Vieira Lima | Olá, pessoal!

BOECHAT COMENTA: (GEDDEL VIEIRA LIMA-PMDB). EX: ANÃO DO ORÇAMENTO. FEZ E NÃO VAI DAR EM NADA.

  

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google+ Followers